.

.
.
.
.
.
.
.

é assim que 
a morte espreita,
de garganta apertada
.
peço-te a ti!
obrigada.
cumpre a tua pena 
(ou prenda surpresa)
.
agarra-me a boca
não sintas sequer remorso
não deixes que suspire
nem cries alvoroço
.
deixa-me ser
finalmente ausente
.

Leave a Reply

Your email address will not be published.