cresce! get confused!

há uns meses rapei o cabelo
máquina zero

ou é ou não é (tsshpum!) *new catch phrase*agora está demasiado longo para mim – curto para quem acha que os cabelos de mulher devem tocar o chão….

anyways,
de cada vez que decido andar sem cabelo ou sobrancelhas enche-se o ar de indignação e pequenas frases pairam no ar…

“isso é um insulto…”
“há pessoas que gostavam de não ter de fazer isso…”
“tu deves ter a mania!….”
“pareces um rapaz…”

gostava de ilustrar a careta que faço ao lembrar-me destas coisas mas hoje não é esse dia.

de facto é giro observar os comentários à falta de cabelo mas para o resto do corpo é ao contrário (mas não me importo – por mim eu vestia a pele de um golfinho… podia ser que deslizasse com graça pelo resto da água da vida…)

isto para dizer que estas coisas têm consequências (para além das respostas tortas que dou na altura)

hoje sonhei que uma tipa qualquer – que penso ser baseada em alguém que conheço na vida real – estava decidida em mostrar-me a sua longa juba. No sonho ela era uma cabeça de vento e não dizia nada com suminho…

adoro alguns sonhos. Misturam ódios e amores.

neste caso eu virei-me para ela e disse algo para provocar e perguntei “deves achar que a Terra tem 6000 anos… és *daquelas* pessoas…” – “Sim! Claro! E não são 6000 – são 5000! deus nosso senhor fez este planeta!”

*julgo* que esta é a percepção que tenho das pessoas que atiram bocas ao cabelo rapado.

porque, logo a seguir, entro numa sala onde estavam raparigas – todas iguais, cada uma sentada numa cadeira. Dezenas de jovens mulheres, lindas, bonitas. Coloridas, com tatuagens etc.

e todas elas tinham rapado o cabelo… todas tinham o cabelo rapado ou como eu o tenho agora (na fase “rapo ou não outra vez porque não estou para aturar esta merda”) e cada uma tinha mechas de cabelo de cor diferentes – rosa, azul, purple…

nunca verde – pois, odeio verde. não tenho nada verde nem quero ter nada a ver com a cor verde. Detesto.

mas elas estavam lá e à medida que passava no meio delas era como se estivesse a ver o grupo de raparigas do Charles Manson porque todas elas cantavam e tinham marcas no corpo…

e fiquei feliz. Elas eram muitas e eram iguais a mim.

podia ter acordado aí? Podia, mas não era a mesma coisa….

assim que saio dessa sala cheia de pessoas como eu, entro numa sala estéril e estou de bata com serrote na mão.

um body bag (português?) entra numa maca e um polícia entrega-me uma folha para assinar.
falou em inglês

“so… this guy has the torso and the arms are complete… the head I tried to adjust it to the right place but it’s completely off so… yeah, oh – and the legs are cut up at the knees…”

eu sabia o que fazer. Era uma autópsia. E até sabia mais ou menos quem tinha sido o responsável porque a cabeça fora do sítio e as pernas cortadas naquele local eram o M.O. do suspeito…

olhei para as pernas, cortadas, centro branco de osso.

****

ACORDEI. CONFUSED.

e agora sinto que estou neste vídeo….

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=F-w-2FFFyvE&w=320&h=266]
devo já ter postado isto aqui mas representa de forma fiel a confusão que vai na minha cabeça…

Leave a Reply

Your email address will not be published.